Crianças sensíveis: saiba identificar se seu filho é como agir

Publicado por | Comportamento, Destaque

crianças sensíveis

Crianças sensíveisSensíveis todas as crianças são. Mas algumas o são em maior medida, mas como reconhecer quando isso acontece?

Alguns sinais ajudam. Crianças sensíveis são bastante afetuosas e vibram com o contato pessoal e com o carinho físico. Respondem com maior sensibilidade que o esperado às palavras e aos gestos quando se sentem feridas, vibram com a música e relacionam cheiros, cores, aromas e sabores com experiências ou momentos de sua vida cotidiana.

Essas crianças sensíveis, independente se forem meninos ou meninas, podem apresentar detalhes incomuns em seus desenhos e surpreendem seus pais pela habilidade que possuem para avaliar as pessoas, como se tivessem um sexto sentido.

São receptivas às expressões do rosto e ao olhar e por esse motivo são capazes de predizer o que o outro fará ou sentirá. Possuem mais empatia e sintonizam com as emoções da outra pessoa. As crianças sensíveis se emocionam facilmente sentindo pena, alegria ou amor diante da leitura de um conto ou assistindo um filme, ou quando veem alguém pedindo esmola.

Normalmente, crianças sensíveis se entristecem profundamente quando seus pais ou professores a repreendem ou quando o seu melhor amigo lhes diz que não quer brincar.

Tão importante quanto identificar essa característica é entender do que as crianças sensíveis precisam. A resposta é simples: como todas as demais crianças elas precisam sentir-se amadas e valorizadas. Elas são hipersensíveis à crítica e ao juízo social. Sofrem a rejeição dos demais com mais intensidade e são capazes de predizer ao analisar com facilidade os elementos da linguagem não verbal, como a postura do corpo ou a tensão da mandíbula. Como ajudar uma criança sensível? Os pais podem reforçar e estimular essa qualidade estimulando a comunicação assertiva. Ajudando-lhes a pôr limites nas suas relações sociais ensinando-lhes a dizer “não quero”.

Outro ponto importante é orientar a não dramatizar os problemas ou situações sociais, para não fazer das dificuldades uma tragédia. E claro, sempre reforçando a segurança em si mesma, estimulando-a para que expresse suas opiniões ou ideias com naturalidade.

O que uma criança sensível dever evitar:

  • Situações que não possam enfrentar ou que excedam as suas habilidades. Se ainda não atingiu maturidade suficiente para enfrentar determinadas circunstâncias, ela verá diminuídas suas possibilidades de se mostrar competente.
  • Ser corrigida em público, para que não se sinta envergonhada. É importante que sinta que é valiosa sua forma de ser e o que faz.
  • Ser reprimida quando expressa suas emoções.
  • Superprotegê-la em excesso para evitar que sofra. As experiências da sua vida ajudarão a desenvolver estratégias para enfrentar problemas no futuro.

Nós pais devem prestar atenção para as características de um comportamento normal e de um potencialmente patológico. Além disso, a idade é um fator muito importante. Um hábito exibido até cinco ou seis anos de idade não é necessariamente algo alarmante. Mas, se o mesmo comportamento continua aos oito anos ou mais, é preciso atenção. Especialmente se acompanhada de ansiedade ou angústia.

Last modified: 20/09/2017

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *